15 de jun de 2012

                       Homendigo se explica
ao bêbado:

"meu trabalho não é feito pro técnico
(o que armazena as palavras,
enfeita suas frases
e reduz seus ouvintes
e seleciona leitores
de acordo com o intelecto);
meu trabalho não é feito pro empresário
(o que sonega os impostos
e explora o empregado -
que compra um carro
e tv de plasma
e se põe satisfeito);
meu trabalho não é feito pro chefe
(o que se faz autoridade
falando alto
e quando chega na rua
vira a cara pro chão
pois passou a ser ´mais um`;
meu trabalho é feito
para os que precisam se rebelar.
é feito contra a desinformação.
portanto, se por aí se encaixarem,
podem levar.
não precisam pagar.
vamos trocar."

23 de jan de 2012

cuidado com as crianças muitas horas na frente da internet...
na frente da televisão
na frente de qualquer caixa quadrada
ou dentro de qualquer caixa quadrada
há muito espaço do lado de fora das caixas
há muita luz natural
vamos aproveitar
que daqui a pouco vai ser só radiação solar no talo
deixem que elas plantem que elas gostem das plantas e das matas
e dos seres que nela habitam
meus filhos constróem casinhas de madeira e telhas
e nelas habitam vagalumes e besouros
seus amigos
eles não os matam
tem respeito por eles
e eu bobão vez por outra matava uma aranha
e eles viam e não entendiam
e eu mais esperto parei de matá-las
elas comem os mosquitos
as pulgas da chica ficam presas em suas teias
e agora espero os meus três amigos
(que em breve retornam)
para que cada um plante mais uma mudinha
e para que eu as cuide
sempre aguardando
seus sorrisos ao vivo.
CARTA AOS EVOLUÍDOS

agora eu mergulho em outra maré, em outro rio,
cidade grande pra mim não é nada
dinheiro continua sendo nada
condomínios fechados, prisões disfarçadas
pra mim não são nada
fiquem com suas evoluções
fiquem com sua dignidade
que eu planto e colho
e troco
questão de escolha
e de saber das opções que existem

hoje eu sou aquele a quem chamam
o autônomo
que sempre trabalhou
que sempre correu atrás
mas se deixou levar por um tempo
pelas distrações da cidade grande
e deixou descer pelo esgoto
muita coisa importante
mas não deixou de sonhar
e agora vê valorizado seu sonho
como um impulso ao sonhar!

que bom renascer!
que bom sentir o cheiro das flores
novamente!
como é bom andar a pé, não ficar entupido
de monóxido de carbono!

agora é acertar os ponteiros com a vida,
regar minha rosa
e aguardar os meus filhos.
pode ser que seja apenas uma sombra
mas tem asas
e me inspira ao vôo

subverto a desordem instalada
e saio à procura
do infinito
dentro de mim

21 de jun de 2011


busco inspiração no meu pranayama preferido
busco o equilíbrio no asana desafiador
buscas que aquecem o outono nunca vivido
enquanto aguardo o inverno escolhido

somo aos meus afetos a tranquilidade
das coisas simples que venho tentando sentir
(e que venho sentindo em verdade)
enquanto reabro os olhos para a natureza da vida

descobri nem tão tarde a semente perdida
no meio de um jardim antes tão árido
(apesar de flores e folhas tão clorofiladas)
agora posso ajudá-la a se desenvolver


preparei um buquê enquanto repartia pensamentos
com as pedras e árvores (parceiros do caminho)
mas o tempo longo e apressado
incumbiu-se de arrancar pétalas de cada nome
deixando a terra colorida e macia
tal qual tua pele em meus sonhos

fato é que precisei de criatividade
pra poder manter a idéia de um presente
então mergulhei em mim pelo topo da cabeça
e arranquei as mil pétalas de sahasrara
fazendo com elas uma saia
pra incentivar teu canto e tua dança

enfim acordei e fui ver o sol
e pensar nas coisas simples da vida
nos meus filhos, nas minhas plantas
lembrando que em verdade nada é meu
eu é quem pertenço a esta natureza
liberto de amarras e algemas

1 de nov de 2010


acordar e olhar da janela a neblina

e imaginar como seria tolice

se eu pudesse comê-la

inteira;


dormir e fechar a janela com calma

pra sonhar com o sol do novo dia

e a encrenca que vem a nós

e ao vosso reino, nada;


pensar em como estaria a vida sem o baque

não me faz entender que o pior

às vezes se mascara de melhor

pra melhor convencer.


escrever já não me convence

de que ainda é minha a poesia

que a cada dia

sai do meu arfante coração;


aí eu me desligo da caneta

e meto a mão na terra,

dando vida a outros seres

que ainda me dão oxigênio.


14 de out de 2010


sentei na praça esperando alguma coisa acontecer
mesmo sabendo que dificilmente
seria algo interessante.

a cabeça não conseguia arrumar os miolos
em seus devidos lugares,
um embrulho na boca do estômago
e vertigens,
vontade de vomitar.

eu olhava para o relógio do museu
como se estivesse ele a me dar algum aviso:
"faltam alguns minutos pra issso",
"faltam algumas horas praquilo"
"você tem apenas alguns segundos
pra levantar a bunda daí
e ir correr atrás da vida,
que já vem passando por aqui
e você finje não ver!"

tomar decisões como quem dá uma cagada
depois de uma feijoada
definitivamente não é comigo.
simples é para quem já não quer mais debate:
já foi e pronto.
e ponto final.

6 de set de 2010


chegou na estrada à procura do tal deus:
“longa caminhada...”, pensou.
no meio do caminho havia um espelho
e foi ali mesmo que o encontrou.

por instantes narciso tentou tomar
as rédeas da situação,
porém logo sucumbiu e o viajante sorriu:
“eu quero é a vida, meu irmão!”,

e fez sua oração:
“oh, breve náusea de cada dia,
permita-me abreviar em alguns porcento
esta chatice estética de meu diário mental,
permita-me o barbear
no momento em que eu realmente o desejar”.


Poderia contar séculos
Em poucos minutos.
Poderia despir conexões
Em favor da espera.
Um mutante vive em mim
À procura do ser que nunca fui
E quanto mais me aprofundo
Na busca descontrolada,
Mais admiro a surpresa
E a espontaneidade,
Mais e sempre mais.

fotografia: karyanne rosa (kim.blackout@yahoo.com.br)

Outros estados descobertos, pontos no meio da escuridão que surgiu no momento do estagnar dos ponteiros do relógio, a parede que marcada de sangue e infiltrações refletia o último raio do olhar penoso do sol daquele dia incomum; algo parecia diferente, os sentidos em pane pareciam criar uma nova realidade numa massa cerebral disforme.
Este era o caos. Uma deturpação, neurônios mergulhados em ácido, nada sulfúrico, ácido metafórico, o deus-guia, a estrada perfeita, retas esburacadas e sonhos que as percorriam em velocidades altíssimas, coloridas...
Parecia o encontro com a verdade e a sua beleza que beirava o ridículo, de tão artificial. A estrada bifurcada, os métodos utilizados para a descoberta do “natural”, tudo parecia confuso demais para alguém que vivenciava o terror, o humor, o drama e todos os acasos como simples gotas no oceano de instantes de calma, vertigem possuída por drogas e químicas receitadas...Este era o espelho. A velha história do reflexo involuntário, do tato falho, visão distorcida, audição hiper-super-ultra-apurada...
A altura, a queda, o impacto... Curtos períodos de tempo onde repetiam-se as regras e noções e os olhos arregalavam-se mais do que o normal, fatos presentes e passados embaralhando-se, o futuro cuspido ao mundo em forma de fragmentos de pensamentos, a desordem instalada num corpo prestes a desfrutar de outra dimensão....
Este era o sentido. As setas matando o cupido, sangue de barata, atrapalhando o encontro despretensioso e contribuindo para a completa romantização novelística, essebetezística, tão em moda hoje em dia.


Discussões sobre as guerras
Para delírio dos intelectos
Sentados nas mesas
Com suas hemorróidas
E jornais especulativos,
Com a cabeça longe
Do ensino privado,
Da saúde privada,
Do transporte privado,
Da floresta privada,
Da coleta de lixo privada,
Do mundo privado do futuro...

Um só governo,
Todos os empresários
Com suas privadas
Juntando a merda eterna
Que selará o domínio
Econômico, político,
Cultural
E fecal
Que farão tão felizes
Seus filhotes
Vendidos desde o berço.


plante a planta

que ela em resposta

seus males espanta



homendigo segue escapando
das tormentas e dos furacões
(viciados nos sistemas e estruturas,
fascinados pelo somatório centenário),
despejando golfadas de versos,
rasgando a pele,
escrevendo nos tecidos,
sangrando...

pelas ruas reencontra perdidos e achados.
para uns tem sorrisos,
para outros, rosnados.

persiste no caminhar do instinto,
da sensação,
do tremer das pernas,
do não mentir pra si mesmo.

9 de ago de 2010


Muitos dividem sua morte com outros mortos
Que também em fuga sublinham as frases
Tornadas mais inteligíveis
Pelos abismos naturais
Do conhecimento.
Muitos dividem seus esforços com outros esforçados
Constantemente em desafios mergulhados
Sem vestígios de queixas
Nem cabelos penteados
Por um carinho qualquer.
Muitos divididos se vêem nos espelhos
Espalhados pelos corredores
(Ainda não explorados)
Deste labirinto sufocante,
De uma dificuldade de resolução
Jamais registrada
Nem na mais perfeita e completa
Das enciclopédias de curiosidades
Dos seres a quem chamamos humanos.

(Muitos distúrbios tornam ineficientes
Quaisquer umas das inenarráveis
Mas já discutidas formas de paz).

Muito da natureza que morre a cada dia
Leva junto a energia que nos sustenta
Vivos, acordados,
Mas isso já não nos preocupa mais,
Pois há o dinheiro
Que tudo pode comprar,
Que tudo pode pagar
E que a todos pode interessar,
Adeus, sonhadores como eu,
Nosso mundo está prestes a desabar...

19 de abr de 2010


liberdade


do mundo à prisão
foi fácil demais...
agora chegou a hora
de arrebentar as correntes
e andar pra frente
sem chefes
nem mestres.
hora de respirar novamente
sem a ajuda de aparelhos
sem comprometimento
com conselhos
nem com gravatas
sujas de merda.

deixo o desejo de que
engulam-se uns aos outros
e não esqueçam do rabo,
não deixem provas...

6 de abr de 2010

antiga propaganda:
precisa dizer algo mais?

22 de mar de 2010


cada dia enquadrado
sem molduras
sem modelos
nojentos

o consumo
engolindo
o resto
do novo

19 de mar de 2010


a rotina cansa,
este é o motivo da mudança...


o blog do homendigo está de capa nova...

aos esmoleiros amigos peço que se recadastrem, pois perdi os dados antigos...
de resto, continuemos... os outros blogs continuam na ativa...

um abraço,

jamais saberemos


um cadinho de boa música...




este foi um mail recebido há alguns anos atrás por dois poetas que vendem seus livretos pelas ruas:

"começar sem saber por onde começar... desejo de ser carta, desejo de ser email, desejo de ser encontro, desencontro, apresentação, imaginação. porque as coisas da nossa cabeca não sabem, por vezes, como encontrar o mundo. mas acho que este é o caso mesmo de quando não saber fazer o que encontrei no mundo, encontrar as coisas da minha cabeça.

desejo de poesia, um bom começo, mas já deixei o começo passar... seria cordial me apresentar? seria possível me apresentar? um nome e um número na carteira de identidade não seriam apresentação suficiente, acho. o que falamos quando ainda não falamos nada? o que falamos quando já estamos falando demais, mas não dissemos nada ainda? talvez, se o meu nome fosse Julia Achobonitoconhecerpessoasnaruaenãopeloorkut Bessler, uma apresentação se tornasse mais plausível. mas não. apenas Julia Bessler, e a lacuna entre nome e sobrenome ainda não virou palavras.

no dia em que conheci dois estranhos - mas não os conheci e eles continuaram sendo então estranhos - falei de poesia. no mesmo dia fui num sarau onde haviam muitos poetas mas poesia nenhuma. engraçado pensar que tanta gente escreve hoje em dia mas ninguém tem nada pra dizer. então eu voltei pra casa lendo dois zines de dois desconhecidos que eu havia conhecido mas não conhecia ainda. e ali eu os conheci. um pouco, talvez. e pensei que havia muito mais naqueles versos do que nos recém-recitados. havia muito mais naqueles versos contidos nas folhas, contidos nas encadernações, contidos nas mãos, contidos no corpo, contidos no carro, contidos na rua, porque aqueles versos compreendiam:as folhas, as mãos, o corpo, o carro, a rua.
então o tempotempotempotempotempotempotempo (é, foi bastante tempo) que passou e uma noite de insônia me fizeram parar e escrever um email. um email que é uma carta, um encontro, um desencontro, uma apresentação e uma imaginação. um email que é uma tentativa de passar menos (como passam as pessoas e os dias e os tempos) - e restar mais.

grande abraço,

Julia esperandorestarmais Bessler."

bacana, bacana...


no horizonte a neblina
vem pra cobrir a expansão
de um olhar,
livre na manhã;

a mente guarda imagens
deslocadas do mundo
(antes apenas real)
e um vento só aparenta
trazer mais frio,
esgotado seu poder
de persuasão.

o abismo tem fundo,
pode ser n'outra rua,
onde os passantes
viajam...

eis que chega o tal sol
(madrugadamente esperado),
e o caminho que seca
(aguardando os tais passos
monitorados pela vida)
fica cada vez mais estável.


E foi de encontrar “poetas”
E de com eles
compartilhar sonhos
E de escutar tanto sobre o “dinheiro”
Sobre o “trocado”
E sobre o “status”
E sobre o “melhor espaço”
(Onde se “consome” mais poesia)
E foi também de ver
O “talento” e os “sorrisos”
E a “performance”
E os pedidos cegos de paz
Na orla
E as “apresentações”
Dos “novos artistas”
(Falando sua linguagem de grego
Pra um mundo de brasileiros)
Que homendigo tomou a decisão
De escapulir do caos
Antes de ser engolido.
Antes que seu ideal se perdesse
No turbilhão de palavras
E de bláblábláblábláblás,
Antes que lhe empurrassem
O terno e a maldita da gravata.
Antes que começassem a falar de conferências
E coisas assim.
Antes que os jornais e a tv
Completassem o seu ciclo de imbecilização.


um adeus pro charles darwin
e um atrasado pra ninica


Morreu o cara que dizia gostar de Robert Plant
Apesar de ter sido chamado por ele de cucaracha...
Morreu com sua formação em inglês,
Com seu curso na Escola de Minas,
Com seu pedido insistente de cigarros.
Cheio de porradas na cara...
Morreu no canto onde sempre estava
Com seus velhos e acabados parceiros de cachaça.
Morreu e isso já era esperado há tempos.
Foi fazer companhia pra flautista das ruas,
Que levou pra outra dimensão
Uma boneca sorridente.
Aqui em Ouro Preto é assim,
Os loucos de verdade são nosso amigos
E quando se vão sentimos falta deles...


"O Grande Paranóico" - Salvador Dali

Conseguir convencer o louco
De que sua loucura é doença
Faz parte do grande sonho
Dos que alimentam toda a desavença

Que escorre sem parar
Pelas ruas e avenidas
Da cidade onde calar
Faz parte da música das vidas

Urbanas e encostadas
Em suas paredes descascadas
Pelo tempo implacável,

Enriquecedor de bolsos,
Que de tão cheios
Não mais comportam saídas.


MAPAS INÚTEIS

Dois pequenos destroços vulneráveis
Derivados da grande explosão,
Diga a todos que não são sombras
Nem restos de ilusão,

Pois sangram cada vez mais
Enquanto são alimentados pela tristeza
Numa aglutinação com a desesperança
Plantada num solo neutro.

A paz está onde ainda não procuramos.
Os mapas, além de não informarem nada,
Castram
E desanimam...

Trazem mentira para que a solução não funcione,
Para que as coisas não mudem
E para que o sorriso deixe de ser
A válvula de escape das nossas inquietações.

HERÓIS?

O sol que se mostra.
O avesso indiscutível
Da pasma idéia
Sobre a qual se pisam
Incessantes vezes.

Todos os altos e baixos
Encurtam estéreis náuseas,
Envolvendo a secreta idéia
Sobre a qual repousam
Resistentes os salvadores.

Qualquer herói
Agoniza no peito cansado,
E o agora ( servo do amanhã )
Transgride as regras básicas da exatidão.

Memória Mergulhada no obscuro,
A nova trajetória
Através da aura
De uma nova história.

PRÓLOGO

Homendigo, o réptil carnavalesco que tirou Jesus da cruz e o levou para jogar uma sinuca, observava as estruturas sobre rodas que desfilavam coloridas nos cruzamentos entre gramíneas, seres humanos e concreto, estruturas estas abundantes em sua inutilidade facilmente verificada nas inúmeras estatísticas de doenças relacionadas direta ou indiretamente ao seu uso, aumentado gradativamente e não mais relacionado com o tempo ( já que o tempo era derrotado pela tecnologia ).

O que havia de mistério em Homendigo saltou diante dos meus olhos naquele instante de curva, e pensar que eu poderia ter dado mais atenção à imperícia do motorista do coletivo me fez ficar ainda mais contente, o que trouxe à tona o desejo não mais inconsciente de ser apenas um imaginador de mundos, sem ter de estar agarrado a eles de qualquer forma que seja, mesmo com o organismo reagindo contra e transformando a audácia num ato clandestino.

Homendigo não tinha pensamentos “comuns”. Seus devaneios criaram um universo à parte, e ele, desencorajado desse ideal de adentrar outros mundos, resolveu dar um basta em sua condição de submisso às relações falidas, que frente a frente mascaravam e costa a costa apodreciam, nuas e cruas como anormalidades infrutíferas, mas procuradas, degustadas, abençoadas e viciadas em hipocrisias das mais variadas, sem remédio, sem cura...

Homendigo não conhecia nem mesmo a saída para os seus problemas... Muitas vezes havia tentado se organizar, mas o umbigo de cada um dos componentes era sempre mais profundo, mais cheio de argumentações e justificativas. Falavam a mesma língua, mas os dialetos complicavam, pois para cada um tudo rodava ao seu redor, cada um vinha de um lugar diferente, e mesmo sem saber da origem do outro, falavam e falavam pelos cantos cada vez mais.

Pode ser que no lugar de Homendigo um outro barbudo venha a sentar algum dia, apenas para pensar, tendo um tempo para recompor no campo das idéias, e logo depois, no campo material, uma ordem não mais usada, ou para criar uma nova, onde o tempo não passe tão depressa e não precisemos nos transformar em robôs, simples reprodutores de algo convencionado pela meia dúzia de gatos pingados que vem nos dominando através das leis que só a eles trazem algum benefício.

(Homendigo I - 08/2002)



lá vem o cara
mexendo com as tempestades
arriscando a chuva
e o vento
por um punhado
de verde


por Elifas Andreato


do topo do altar
pensa ver melhor
e o pior:
nem aprendeu a amar.


aline

foi antes da quinta hora do dia,
quando a madrugada da lua melancia
(mordida por não se sabe
quantos artistas)
ainda não havia dado lugar
à manhã de sol que o céu prometia
e a troca entre os astros
(já quase completa)
servia apenas como fantasia,
que aqueles fantásticos lábios
percorreram a estrada pulsante
do meu instinto de paixão iniciante
que há muito não repartia,
perdido como estava num celeiro
onde eu era a agulha
e o mundo
o feno que me engolia


ergue no vazio seu poema arrastado
e seu ritmo perdido entre as quatro paredes...
supõe ser ele algum centro de mundo
e a cabeça se despe da sensível euforia
(uma notória conversão ao suplício).
isso é o tudo, este é o seu tudo,
o instante que jamais se acaba
sendo homendigo matéria ou não.
minutos atrás a contemplação,
as ruas enfurnadas de sons e imagens
e moléculas vibrando
numa tensão não mais sua.

o mundo inteiro por cima de esgotos,
caminhando por sobre jardins suspensos.


homendigo vai plantando,
logo depois vai colhendo,
suprindo suas carências
com muita consciência;

testa com erros e acertos
e aprendendo com os dois
caminha rente ao comum,
escolhendo sempre outra bifurcação;

segue homendigo
um caminho diferente,
um caminho já descrito
e que muito o deixa contente

e agora as rimas
simplificadas pelo acaso
flutuam por sobre seus dedos
e se colam ao papel sem enredos.



homendigo
o mendigo
a palavra
troca




Ouçam...




quase tudo se repete
da mesma forma irracional:
o não-querer a violência
gerando a violência
e o poder emanado da dúzia
que com astúcia
asfixia.

de nada resta sonhar com fragmentos,
estufar o peito em resposta
ao alimento que se prepara
com os excrementos
disfarçados
de bosta.

em raros cortes a miséria
confunde as foices noctívagas,
suportando as faces lúcidas
das estrelas superadas
por surpresas solfejadas.



vou me desligar no momento certo
naquele em que a certeza não funcione
naquele em que meus versos
não sejam verbais
mas antes reais
pés no chão


não é eterno
o que dura
nada dura
nem a eternidade


AMANHÃ DE MANHÃ

não irás às compras...
não haverá mais dinheiro...
não haverão dividendos
nem lucros:
só amor...

sofreremos na carne,
sobraremos na fome.
estaremos cansados,
sem nome.
não haverá rumo
(desmonte,
desmanche).
a usura os velhos,
recolhida.
as vísceras espalhadas
dos empalhados
na masmorra
da mesmice.


OURO PRETO

Ouro Preto
Vem chegando
Pra poesia
Vem trazendo
Novas lendas
Pra criar
Nova vida
Sem receios
Sem fuzis
Nem balas perdidas.


EM BUSCA DE CASA

Percorreu em poucos segundos
O que levaria dois dias
No mundo real;
A lama das estradas de terra
Pode ser um problema para as rodas,
Mas não para seus pés.
Não se fez de rogado
Ante a presença marcante
De uma boiada nervosa;
Pareciam os bois pinos de boliche
A deslizarem em busca da bola
Não mão do jogador, ele.


MUNDO

Um pequeno mundo
Pequenino mundo
Tudo tão perto
Nenhum deserto.
Em todo lugar há alguém.


Homendigo se explica
ao bêbado:

"meu trabalho não é feito pro técnico
(o que armazena as palavras,
enfeita suas frases
e reduz seus ouvintes
e seleciona leitores
de acordo com o intelecto);
meu trabalho não é feito pro empresário
(o que sonega os impostos
e explora o empregado -
que compra um carro
e tv de plasma
e se põe satisfeito);
meu trabalho não é feito pro chefe
(o que se faz autoridade
falando alto
e quando chega na rua
vira a cara pro chão
pois passou a ser ´mais um`;
meu trabalho é feito
para os que precisam se rebelar.
é feito contra a desinformação.
portanto, se por aí se encaixarem,
podem levar.
não precisam pagar.
vamos trocar."


Eu acredito no amor

desde sempre tentam desumanizar,
desde sempre
(ou ao menos desde a minha existência e a tua).
durante tempos e tempos enxerguei nada,
achando tudo ver.

desde sempre tentam automatizar,
desde sempre
(será assim pela existência
dos nossos filhos).
durante tempos e instantes
falei muito,
e nada disse.

chega agora o tempo da ação
sem medos,
da ação eficaz.

e eu com prazer
vou voltando a acreditar
no amor
e no amar.


Homendigo e a Barata:

"Ela veio pelo cheiro. Roeu dois cigarros enquanto eu estava no banheiro. Nada sobrara da compra dos artigos de primeira necessidade, portanto nada de varejão. Tirei o tabaco de todas as guimbas com muita atenção. Numa seda bem fina apertei com precisão. No primeiro trago, uma conclusão: o filtro salva mesmo. O cachorro da madame ao lado com seu ultrafaro reclama ganindo que a coisa tá feia. A nicotina passeia na veia. Nem um litro d'água (nem mesmo gelada, nem mesmo da fonte) auxilia na visão da esperança que vem do quente horizonte.
Ela veio pela janela. Ninguém viu, ouviu ou sentiu seu aroma de lixo nas proximidades de seus respectivos lugares de estagnação. A surpresa saltou no momento em que o organismo pediu a dose (o já tão acostumado organismo) e foi respondido com clamor. Ela havia saciado sua fome de porcarias devorando os meus cigarros e ainda deu um passeio ao redor da minha mão direita, que, instantaneamente, balançou-se no ar, lançando a voadora ao chão.
Ela veio pela obra inacabada do meu vizinho. Precisei matá-la com uma chinelada certeira. Voando ela é ágil, mas quando pousa... Foi fácil, fácil... Espero que os senhores entendam a minha situação. Ela me privou de um remédio eficaz, minha fúria triplicou e o resto os senhores já sabem. Ou não sabem? Posso começar a contar tudo outra vez, caso prefiram. Só quero dar logo um basta nesta situação incômoda na qual me encontro agora."


Homendigo
Um cigarro
Uma cerveja
A divina Teresa

Há alguns dias
Com a morte à espreita
A cega paranóia
Intermitente
As contas a pagar
A geração a aprender
E a ver
Distorções de comportamento
De uma hora a outra
Todas as neuroses
Fundindo a cabeça
Num repente
A sorte do sol
O beijo
Na boca
Arcanja


Homendigo,
cada vez mais chateado,
sussurra no ouvido esquerdo
da sua imagem no espelho:


"usam poemas dos outros em vão.
ignoram o outro
(o ´na merda`)
em qualquer situação.
seu próprio umbigo
e dinheiro no bolso
são a tradição.
fico até puto
e começo a achar
fernando pessoa
um cuzão.
viver de passado
é forçar a tampa
do caixão.
é se condenar
a viver
na ilusão.
usar a poesia para iludir
(os outros e a si mesmo)
é burrice.
usar a poesia como ´ponte`
pra ganhar a mídia
é canalhice."


Gente Boa da Poesia

Ramon Aguirre
(músico, escritor, poeta, contista, artista visual, pesquisador e pai)
João Paulo
(músico, escritor, poeta, contista, artista visual, pesquisador)
André Severo
(músico, escritor, poeta, contista, cantador, artista visual, pesquisador e pai)
Thiago, o Bardo
(músico, escritor, poeta, ilustrador, artista visual,pesquisador)
Renatha Carvel
(poetisa, escritora, artista visual e mãe)
Mia Vieira
(poetisa, escritora, artista visual e mãe)
Chapolim
(poeta, escritor, contestador, ilustrador, artistaço visual)
Nelson
(poeta, escritor, ilustrador, artista visual)
César Soares
(poeta, escritor, ilustrador)
Lohengrin
(poeta, escritor e pesquisador)
Aline Pencinato
(poetisa, ilustradora, cantadora, artista visual, pesquisadora e mãe)
Paula Jorge
(ilustradora, tatuadora, artistaça visual)
Priscila Okino
(ilustradora)
Lucas Trindade (Rato)
(poeta, escritor, ilustrador, baterista, artista visual, contista, etc...)
Peter Pan
(poeta e pai)
Diogo Henriques
(poeta e escritor e pai e biólogo)
João Vazio
(poeta, escritor, contestador, músico, ilustrador, contista, etc...)
Julia Pastore
(poetisa, escritora e mãe)
Dan Frog
(grata surpresa do subúrbio, escritor, poeta e contista dos bons)
Bruno Cordeiro
(escritor, poeta e batalhador)
Monotelha
(das antigas, poeta, escritor e artista visual)
Rodrigo
(poeta, escritor, artista visual)
continua...